quarta-feira, novembro 03, 2010

AAC- 3 de Novembro de 1887, 123 anos de história

Hoje dia 3 de Novembro de 2010 a AAC faz 123 anos, uma data a qual todos nós não poderemos passar alheios, pois não há nesta sociedade Portuguesa muitas Associações, clubes e empresas... que durem tantos anos e sobretudo com a jovialidade que a nossa AAC tem neste momento.




No entanto 123 anos deixaram-me a reflectir, associado a um assunto que muito se tem discutido na blogosfera Academista. Refiro-me ao caso do jovem atleta da AAC-oaf que festejou o golo do FC Porto como se pode verificar no vídeo:







Toda esta discussão na blogosfera sobre a atitude deste jovem, que viemos a descobrir é atleta da AAC-oaf no seu escalão de infantis e até é capitão de equipa (para tal deve demonstrar capacidade de liderança, de comunicação e saber interpretar o que o treinador pretende e ajudar os colegas em campo e no balneário, não há nada que diga para se ser capitão tem de se ser de coração da AAC, nos seniores não haveria capitão...).

Ao analisar toda esta discussão e ao verificar que na sede da Mancha Negra também se aflorou esta questão e vendo o que se passou neste fim de semana num jogo de AAC vs AAC, juntando-se igualmente o aniversário da Associação e ao verificar que o OAF está em 3º classificado na principal liga e não tem mais que 3500 pessoas no estádio, deixem-me divagar um pouco e falar sobre toda esta questão:



1- O atleta na função de apanha bolas deveria ter sido devidamente instruído de qual deveria ser o seu comportamento, o rapaz ainda é jovem e no calor do jogo teve um acto irreflectido ao festejar o golo do Porto, seu clube do coração, quantos de nós já não tivemos actos irreflectidos...

2- Apesar de se ter comportado mal ao festejar o golo do FC Porto, para mim o mais incorrecto e que me deixa deveras a pensar é a atitude que este jovem teve ao demorar nos minutos finais a entregar a bola, retardando o jogo e favorecendo o FC Porto. E o que me preocupa é que este atleta do escalão de infantis já tem atitude menos correctas e para ele o ganhar já está acima de tudo, mesmo que com actos menos leais sejam levados a cabo... Que formação desportiva estamos a dar aos nossos atletas no seio da AAC-oaf

3- A principal preocupação ao vermos este jovem de Coimbra e ainda por cima atleta da AAC estar a festejar um golo do Porto, deveria ser a de repensar o que se passa no nosso umbigo, e sobretudo perceber o que leva a que os jovens de Coimbra não sintam a AAC e sintam os outros clubes.

4 Muitos de nós somos da AAC porque em determinada altura da vida da AAC esta não era somente um clube de futebol, tinha valores e defendia causas que actualmente, fruto do profissionalismo já não o fazemos e defendemos

5- Somos cada vez mais um clube como os demais, como tal os jovens gostam dos que ganham e como não ganhamos dificilmente se fazem adeptos da AAC. Felizmente na Mancha Negra através do amor que muitos da VG e outros membros da MN temos pela Briosa ainda conseguimos mudar algumas mentes e fazer com que a AAC seja somente o clube do seu coração

6- O Futuro prevê-se será ainda mais negro quando numa cidade de Drs e Engs em lutas de poder e da ganância do dinheiro fácil, que leva a que haja 2 Académicas a jogar uma contra a outra, criando ainda mais dificuldade a estes jovens de perceberem o que é a Académica e de que a Amarem

7- Não condeno o acto deste jovem porque o Futebol é emoção e o momento, agora peço aos responsáveis da AAC que sejam mais criteriosos quer na escolha destes apanha bolas quer na formação que lhes dão para que eles possam desenvolver da melhor forma a função de apanha bolas





Ser de Coimbra é ser da Académica

Começa já hoje a desenvolver o teu papel evangelizador torna já o teu vizinho sócio e adepto da AAC, junta-te a nós faz da AAC uma AAC cada vez maior

4 comentários:

Academico1 disse...

Deixe-me alertar para o enorme contra-senso na sua mensagem.

O senhor refere que o capitão dos infantis deve apenas "demonstrar capacidade de liderança, de comunicação e saber interpretar o que o treinador pretende".
Mas depois no ponto 3 põe as culpas a quem é da Académica e diz para "repensar no nosso umbigo, e sobretudo o que leva a que os jovens de Coimbra não sintam a AAC e sintam os outros clubes.".

Então você prefere escolher um capitão apenas pelas características que referiu, o qual irá espalhar aos mais de 20 jovens do seu plantel da Académica o ideal Portista, tudo apenas pensando em ganhar um campeonato distrital de infantis completamente irrelevante. Olhou para o seu umbigo? É que num umbigo de alguém da Académica é óbvio que é 1000 vezes preferível desprezar esse título infantil dando preferência a um capitão que transmita a esses 20 jovens o sentimento de se ser da Académica!
O seu contra-senso está também presente no ponto 4 e 5, já que você troca os proclamados valores e causas por uma vontade simplesmente de ganhar.

Velha Guarda disse...

Meu caro Académico 1

eu sei que o Portugues não é o meu forte, mas passo a explicar:
o referido atleta que é capitão deve ter sido escolhido porque no entender provavelmente do treinador reune as condições que apresentei, certamente o treinador não saberia se ele era ou não da académica, um valor que deverá ser importante na escolha de um capitão de uma equipa de um escalão de formação

o ponto 3 pretendia que olhássemos para o nosso umbigo e pensássemos o que leva um jovem de coimbra a não ser da académica e que apterássemos a nossa postura

relativamente ao contracenso o que acho é que o sr está de comleta má fé ao ler o meu texto e deturpou completamente as minhas ideias

mas as interpretações fica para ques as faz

saudações academicas

Academico1 disse...

Não tem qualquer problema de Português e é possível o entendimento até sem falar quando se trata da Académica.

A questão foi levantada devido à sensação de que foi omitida no texto a conclusão principal, a qual foi realmente confirmada neste seu comentário. Ou seja:

8 - o atleta não deve continuar a ser capitão na Académica.

João António disse...

Local Pride:

http://academicasempre.blogspot.com/2010/11/ligeira-subida-de-assistencias-no-ecc.html